2018 – Intensidade, Ação E Porrada Postado por Rodrigo Vinhas em dez 29, 2018
Enquanto escrevo esse texto, você provavelmente brigou com pessoas da sua família por divergências políticas, deu risada dos memes do chapolin sincero e curtiu o natal com as pessoas da sua família que você continuou falando após a eleição presidencial. E deve ter visto memes como esse iti malia abaixo, no caso estou me referindo ao menino jesus. Psicodélicos, a manifestação da alma A coisa mais incrível que aconteceu comigo esse ano foi a minha experiência com psicodélicos, especialmente com a Ayahuasca, onde eu vou falar mais da minha experiência no próximo artigo. Não teve nada que me trouxe mais clareza na vida do que isso e acredito que o contato com psicodélicos é o que pode salvar a humanidade de si mesma. Mas não quero falar sobre os psicodélicos agora, no momento quero trazer a minha experiência pessoal sobre o que aconteceu em 2018, esse foi um ano em que virei a vida de cabeça para baixo, me permiti mais do que nunca experimentar as coisas que ficava idealizando. Seis meses morando nas montanhas Eu pensava que um dia, quando eu ficasse mais velho, daqui uns dez anos ou eventualmente quando eu parasse de trabalhar, eu iria morar nas montanhas. Resolvi seguir o conselho do Peter Thiel e perguntei a mim mesmo: E se você tivesse que concretizar o seu plano de dez anos nos próximos seis meses, o que você faria? Então coloquei as coisas mais urgentes em ordem e decidi passar seis meses nas montanhas em 2018. E contra todos os motivos de eu não fazer isso agora, pois não era o melhor momento (nunca vai ser o melhor momento para nada), eu fui para lá e foi uma experiência incrível. Eu não escolhi um lugar qualquer, eu fui muito abençoado de morar no Ponto de Luz ( www.pontodeluz.com). Além da natureza exuberante, o local oferece aulas de Yoga e meditação todos os dias, tem atividades culturais, um monte de terapias holísticas, como constelação familiar, alinhamento de chacras e foi lá que eu conheci duas pessoas fundamentais nas viradas de chave que tive esse ano, o Ian Jaak, o homem medicina e também a minha coach de escrita, duas pessoas que foram mestres para mim nesse 2018. Eu também decidi mudar para lá depois de ler o Chris Sacca (um dos maiores investidores de risco de startups de tecnologia) dizendo que o melhor investimento que ele tinha feito na vida foi ter mudado de São Francisco para uma casinha próxima de Lake Tahoe, chamar as pessoas realmente importantes para ele para passar um tempo lá e aprofundar o relacionamento com esse grupo seleto de pessoas. Fiz isso também e foi incrível, vários amigos meus foram me visitar lá e grandes oportunidades de negócios surgiram também. Em 2019 quero trabalhar em um projeto novo e vou precisar ficar mais tempo em São Paulo, pelo menos por alguns meses, então decidi ao invés de morar lá e ir para São Paulo uma vez por semana como eu estava fazendo, vou ficar em São Paulo e a cada 04 ou 05 semanas passar uma semana lá. Também pensava em ter uma lua de mel na Europa e passar um mês no exterior, aproveitei que os Tribalistas iriam fazer uma turnê por lá (sou empresário do Arnaldo Antunes) e consegui levar a minha ex namorada para lá e foi uma experiência incrível. Segui o conselho do Leandro Karnal de fazer a Lua de Mel antes de casar e como nem sei se vou casar afinal, pois nem a sua próxima hora de vida está garantida na vida, eu vivi essa experiência que eu queria a dois, do jeito que eu imaginei, pois a vida é agora. Aliás em termos de viagens fui muito feliz esse ano, também fui para Campos do Jordão, que eu já queria conhecer faz muito tempo e para a Chapada dos Veadeiros, sempre com uma companhia incrível, que no final sempre é a melhor parte de qualquer viagem. A saga de escrever um livro Eu tinha vontade de escrever um livro, mas sempre pensei que não sabia escrever bem o suficiente, então lá fui eu e encarei esse desafio e já estou na metade do livro, com a ajuda de uma coach de escrita incrível, que no processo também se tornou uma grande amiga. Escrever um livro, se você levar a sério a tarefa é muito mais difícil do que parece. É muito diferente de escrever um artigo por exemplo, como esse que eu posso fazer em algumas horas ou em dois ou três dias. É um trabalho que requer um planejamento bem maior, uma doação bem maior, não só intelectual, mas também emocional, porque você precisa ir a fundo nos detalhes, tem um arco das histórias que precisam se entrelaçar para que fique instigante para o leitor e ao mesmo tempo transmita a mensagem que você quer com a sua própria voz e manter um senso de continuidade entre um capítulo e outro. Além disso tem a parte do "negócio livro" que é totalmente nova para mim. Apesar de eu estar muito mais concentrado em escrever, me pego sempre pensando em como vai ser o marketing, planejamento estratégico e tudo o mais, pois é o que eu sei fazer de fato, mas tenho me proibido de planejar o marketing antes de escrever, apesar de já ter feito contato com algumas editoras. :) Então é um exercício de paciência da minha parte também, fazer pouco a pouco, respeitar o meu ritmo e as minhas limitações enquanto escritor iniciante. Independente do que vai acontecer com esse livro, a jornada já está valendo mais a pena do que qualquer resultado comercial que eu venha a alcançar. Recomendo para todo mundo como um grande exercício de autoconhecimento. Ao escrever e colocar no papel alguma coisa que está dentro do seu coração, as máscaras vão caindo pouco a pouco. O livro também me deixou presente para o exercício das páginas da manhã que é proposto pela Julia Cameron no livro “O caminho do Artista” e tem sido um grande aprendizado. Basicamente é você ao acordar, escrever duas ou três páginas de todos os pensamentos que vêm na sua cabeça. Isso além de aprisionar pensamentos que poderiam se tornar compulsivos ao longo do dia, te ajuda a tomar atitudes que você fica procrastinando. Afinal é muito difícil você passar semanas escrevendo sobre um problema e não fazer nada sobre isso. Filosofia como melhor amiga Sempre gostei de filosofia e queria me aprofundar no assunto. Fiz algumas aulas particulares esse ano, alguns cursos e me aprofundei nesse tipo de literatura, principalmente através de "vulgarizadores" como o Alain de Botton, Ryan Holiday, Leandro Karnal, Clóvis de Barros Filho e tantos outros filósofos que trazem esses ensinamentos para uma linguagem mais simples e contemporânea, mas também encarando alguns originais difíceis como os do Sêneca, Marco Aurélio, entre outros. Esse processo superou todas as minhas expectativas e eu pude acelerar o meu processo de maturidade emocional ao me abrir para esse universo, ainda que a minha criança interior continue gritando de vez em quando, ou de vez em sempre, mas pelo menos um pouco mais baixo do que antes. Sempre passamos por diversas situações adversas ao longo da vida e eu pude viver as minhas adversidades com menos drama, mais pragmatismo e um olhar mais acolhedor a mim mesmo para cada situação que enfrentei. As mais difíceis são sempre em termos de relacionamento. por mais que eu evite criar qualquer tipo de expectativa, eventualmente eu me decepciono com pessoas e vejo que ainda mantenho algumas relações que são tóxicas, mas sempre que sou capaz de perceber, tomo alguma atitude. O sofrimento se torna muito maior quando a nossa expectativa bate com força no muro da realidade. Meditar sobre a morte com frequência esse ano, me deu serenidade para que esses impactos fossem menores, ainda que duros de qualquer maneira. Até tatuei no meu braço memento mori, que significa algo como lembre-se que você vai morrer, para estar mais presente no aqui e no agora. Marco Aurélio certa vez disse: O que aconteceu impede você de agir com justiça, generosidade, autocontrole, bom senso, prudência, honestidade, humildade e franqueza? Não. Então volte ao trabalho! Coragem para mostrar quem você é “O momento em que você sente que, possivelmente, está andando nu pela rua, expondo demais seu coração, sua mente e o que existe por dentro, mostrando demais de si mesmo, este é o momento em que você pode estar começando a entender certo" - Neil Gaiman Finalmente eu comecei a produzir conteúdo! Após anos e anos pensando em montar um canal no youtube e um podcast, esse ano eu fui lá e fiz! Já publiquei 09 episódios no ar, tenho 400 inscritos no meu canal e 4.500 seguidores no instagram. O número é pequeno, mas cada pessoa que se inscreveu significa o mundo para mim. Escrevi alguns artigos, fiz entrevistas com amigos e com pessoas incríveis que eventualmente acabaram se tornando amigos também, pude aprender e me divertir ao mesmo tempo e gerar valor para o mundo com conversas mais profundas sobre temas que tenho muito interesse, como estratégias digitais, empreendedorismo, táticas, rotinas, hábitos, marketing, negócios na internet, escrita, filosofia, storytelling e mais um monte de coisa interessante. Ano que vem quero acrescentar o tema de psicodélicos nessa lista. Paralelamente essa produção de conteúdo me ajuda a produzir para o livro e também me dá vários insights que posso aplicar nos meus próprios negócios. Tudo acaba funcionando como um sistema entrelaçado e mesmo que algo não seja um sucesso ( sucesso é uma palavra no mínimo nebulosa), isso me ajuda a tomar melhores decisões no futuro e a viver intensamente essa jornada. Business. O ano mais incrível de todos E o mais incrível que não foi pelo fato de eu me dedicar para essas coisas que a vida profissional parou, muito pelo contrário. Quanto mais presente estava para o autoconhecimento, filosofia ou atendendo aos meus chamados interiores e agindo independente da opinião dos outros, das pessoas que sempre tentam me diminuir e ao status quo, mais maduro eu estava me tornando para tomar melhores decisões em assuntos do trabalho. A Egratitude, que eu fundei em 2016 e é uma empresa de educação a distância, teve o melhor ano da sua história. Implantamos uma gestão mais minimalista, diminuímos o número de produtos que trabalhamos e pudemos nos dedicar aos poucos produtos em que tínhamos melhor performance, o meu sócio Lucas Puerto, CEO da empresa, fez um trabalho excelente guiando todo o nosso time que também performou muito. Aliás com a Egratitude também ganhamos o prêmio de agência de melhor performance no Fire, o evento da Hotmart que reúne os maiores profissionais da internet, onde eu tive a oportunidade de fazer mais uma palestra no palco principal pelo segundo ano consecutivo, dessa vez ao lado de nomes como a Anitta, Nathalia Arccuri, Mairo Vergara, Érico Rocha, Leandro Ladeira e tantos outros grandes profissionais do mercado. Também firmamos uma grande parceria com o BTG ao lado do Gustavo Cerbasi e tivemos milhares de alunos no nosso curso de inglês, assim como no curso do Whindersson Nunes para profissionais da internet. A carreira do Arnaldo Antunes teve uma trajetória muito legal esse ano, lançamos um disco novo, que ficou em 16 lugar pela revista Rolling Stone na categoria de melhores discos da música brasileira em 2018. Ele fez uma turnê muito bem-sucedida com os Tribalistas, sendo um dos únicos artistas brasileiros a fazerem um show em um estádio com ingressos esgotados. Além disso, também fizeram uma turnê de muito sucesso na Europa, para milhares de pessoas em países como Portugal, Suíça, Inglaterra, Bélgica, Itália e Espanha e estamos nos preparando para fazer uma turnê em fevereiro de 2019 nos Estados Unidos e fechar com chave de ouro como atração principal do Lollapalooza. A atuação da Caru Zilber como produtora e do meu sócio Anderson Carlos nos bastidores fez uma diferença muito grande nesses resultados e da empresa de maneira geral. Um projeto que eu tenho muito carinho também se provou viável que é a Craft, um grupo de mentoria. São pessoas que eu oriento na vida profissional, mas também trabalhamos muito com desenvolvimento pessoal, pois não é possível um empreendimento ser bem-sucedido se o empreendedor por trás daquilo não tiver uma inteligência emocional bem desenvolvida, assim como clareza dos passos que está dando. Nesse grupo eu trabalho com pessoas que já tem um negócio mais estabelecido e para 2020 eu criei um outro grupo chamado Craft Blue, que é uma porta de entrada para o Craft, para pessoas que estão um pouco mais no início da jornada com algum negócio digital ou que estão querendo entrar para esse meio. A Erika Linq foi meu braço direito nessa empreitada que está dando mais frutos a cada dia e onde eu também aprendo muito sobre a vida e sobre os negócios. É um prazer enorme fazer esse trabalho. Em 2019 o que eu espero? Eu vou concentrar os meus esforços em desenvolver uma mente mais sã e uma atitude mais empática com as pessoas ao meu redor. Quero cada vez mais entender e sentir que fazemos parte da mesma coisa, da mesma energia, da mesma natureza e da mesma alma do mundo. Em relação aos negócios, apesar de ter projeções de faturamento, vendas e tudo mais, eu quero me concentrar na execução, em fazer o melhor que eu posso em cada negócio em que eu estiver envolvido, ter clareza dos meus objetivos, mas ter em mente que o jogo se resolve por si só e que existem variáveis incontroláveis as quais eu não vou gastar a minha energia lutando, tais como a economia, atitudes de outras pessoas e em qualquer coisa que não esteja na minha esfera de influência. Quero desenvolver também a minha serenidade, aproveitar desse privilégio que eu tenho, da posição social e cultural que eu estou para contribuir para alguma coisa maior do que eu mesmo. E principalmente, quero fortalecer relações com amigos, família, pessoas próximas e conhecer outras pessoas incríveis, pois afinal é sobre isso que a vida se trata em primeiro lugar. A base de qualquer relação saudável é a admiração mútua e da interdependência e como eu tenho sorte nesse sentido. Convivo diariamente com muita gente que eu admiro. Se eu pudesse resumir o que penso para 2019 seria a seguinte frase: Se faz sentir, faz sentido.